Baleia sofre com preços abusivos de insumos médicos

A Instituição fala em aumento de 3.300% no valor de máscaras descartáveis.

Assim como na venda para o consumidor final, os preços de materiais médicos importantes para a assistência de pacientes estão inflacionados. O filantrópico Hospital da Baleia – que se reinventa anualmente para captar recursos e diminuir o déficit financeiro deixado pelo serviço público – tem encontrado dificuldade para adquirir produtos básicos para a instituição. Os fornecedores de materiais médicos, como máscara cirúrgica e luvas de procedimentos, alteraram seus preços diante da pandemia do novo coronavírus. De acordo com o gerente de suprimentos do Hospital da Baleia, Leonardo Oliveira, a máscara descartável comum era encontrada em janeiro por R$ 0,10. No início de março, o valor tinha subido para R$ 1,80. Na última semana, chegou a R$ 3,40. Um aumento abusivo de 1.700% e 3.300% em relação ao primeiro mês do ano. Já a máscara N95, exigida para o uso de profissionais em contato com pacientes infectados pelo coronavírus, passou de R$ 2,80 em janeiro para R$ 5,00 no início de março, e R$ 5,90 na última semana, representando, respectivamente, 78% e 109% de reajuste. “A situação é ainda mais grave para uma Instituição Filantrópica como o Baleia, que depende de doações para pagar suas contas e continuar cuidando dos mineiros. Vamos ter um período complicado por aí na economia para todos os setores do mercado e vemos que a saúde sairá prejudicada com isso”, destaca Leonardo. Ele conta ainda que outros insumos como álcool 70 e soro fisiológico, imprescindíveis no serviço hospitalar, além de medicamentos quimioterápicos, também tiveram os preços aumentados.

Solidariedade

Construído durante uma outra epidemia tão mortal quanto, o Baleia sempre se preocupou de cuidar de quem mais precisava. Desde aquela época, o Hospital contava com a destinação de recursos e doações voluntárias para a cumprir com excelência a sua missão na prestação de serviços de saúde aos mineiros. O Hospital da Baleia conta, mais uma vez, com o apoio da sociedade mineira. O motivo é claro e de conhecimento mundial: cuidar de pacientes com suspeita/confirmação de infecção por COVID-19. A pandemia que assola o mundo chegou à capital do Estado e tem aumentado assustadoramente o número de pessoas doentes. Com isso, o Baleia parou suas atividades eletivas (aquelas que não são de urgência) e está se preparando para atuar na recepção de pacientes infectados, no tratamento e, se necessário, na internação de casos graves em seu CTI. Para o tratamento de cada paciente internado, são necessários 6 profissionais, entre médicos, enfermeiros e técnicos, fisioterapeuta, nutricionista, equipe de higienização, entre outros. No intuito de proteger esses profissionais, o Baleia pede apoio para a compra de materiais descartáveis, como máscaras, luvas, aventais cirúrgicos e óculos de proteção. Cada kit de materiais descartáveis custa R$35. Para que a equipe esteja sempre segura, ela precisa trocar de kit a cada atendimento.  Além disso, precisaremos, também, adquirir equipamentos mais caros, como respiradores e medidores de dados vitais, e ampliar o quadro de funcionários na área da assistência.

Por esse motivo, o apoio dos mineiros é tão importante. Ajude o Baleia nessa jornada contra o coronavírus. Para ajudar, é fácil. Acesse hospitaldabaleia.org.br/doar-agora e destine a quantia que desejar. O pagamento pode ser feito por cartões de crédito e débito, débito em conta ou boleto bancário.